Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://tede.udesc.br/handle/handle/648
Tipo do documento: Tese
Título: The role of motivation on the associations between physical activity choices, depression symptoms and mood profile of adolescent students
Título(s) alternativo(s): O impacto da motivação nas associações entre escolhas na prática de atividade física, sintomas depressivos e perfil de humor de estudantes adolescentes: perspectivas da teoria da autodeterminação.
Autor: Matias, Thiago Sousa 
Primeiro orientador: Andrade, Alexandro
Resumo: Background: benefits from leisure-time physical activity (PA) on psychological well-being in adolescence it is still a matter to debate. In this period of life PA may represent a complex psychological behavior and different choices on leisure-time may outline a singular condition in social environments which can support or not moderators for a better psychological status. There are evidences that motivation can mediate this relationship and it seems that autonomous behavior lead to a better mood profile and less depressive symptoms. Objective: The present thesis aimed to investigate associations between PA choices, motivational regulations and adolescents depression and mood profile. Method: This is a population based cross-sectional study. Sample 1 was composed by 662 adolescent students (µ=15±1 years old) from 12 districts of Florianópolis/SC/Brazil; and sample 2 investigated 2.757 adolescent students (µ=15±4 years old) from 8 cities and 26 public schools of Great Florianópolis/SC. Students were selected with proportionate-to-size. Physical Activity Evaluation Questionnaire for Adolescents, Stages of Change for Leisure-time Physical Activity, Behavioral Regulation in Exercise Questionnaire-2, Basic Psychological Needs in Exercise Scale, Beck Depression Inventory and Brunel Mood Scale were used for data collection. Study 1: aimed to analyze the association between different stages of change for PA and depression symptoms. Results: maintenance to PA was associated with the probability to have no symptoms of depression (OR= 0.418; CI = 0.19-0.90; p=.026). Being engaged in regular PA for the past six months or more represents 58.2% of chances of not having depression symptoms. Study 2: aimed to verify if prevalence of depression symptoms can be predicted based on their PA choices and motivational regulations. Results: individuals that choose exercise compared to sports were two times more likely to have dysphoria or depression (OR = 1.91; CI = 1.06 3.42; p = 0.03). Increasing amotivation represents a risk factor and slightly increased the prevalence of dysphoria or depression in the exercise group. For adolescents, each increasing point in the intrinsic motivation scale represents 40% of chance of not having dysphoria or depression. Study 3: aimed to verify whether PA choices can be predicted based on variations in mood profiles and motivational regulations. Results: Negative mood for anger, confusion, depression and tension demonstrated a significantly higher probability of choosing exercise on leisure-time comparing to sports. Amotivation and external regulation slightly increased the significant higher probability of negative mood to predict exercise. Intrinsic motivation was recognized as higher probability of choosing sports in all sub-scales of mood profile. Study 4: aimed to verify whether mood profile can be predicted based on basic psychological needs (BPN) clusters in physical education (PE) classes, motivational regulations and PA choices. Results: Cluster 3 (negative) and 2 (intermediated), compared to cluster 1 (positive), were three and two times more likely to have a negative mood profile, respectively. Exercise choose increased the prevalence ratio for cluster 3 (OR = 3.74; 95%CI = 2.57 5.46) and 2 (OR = 2.10; 95%CI = 1.68 2.61), p <0.001. Identified and intrinsic regulation slightly decreased the negative association between clusters 2 and 3 and were associated to positive mood profile (identified - OR = .82; 95%CI = .70 .96; p = .014 / intrinsic - OR = .85; 95%CI = .74 .97; p = .016). Conclusions: In study 1 it was observed a protection effect of PA on depression when the adolescent is engaged in regular PA; however, in study 2 it was observed that the choices of exercise, considering the external locus of control, represented a risk for depression. Study 3 pointed that mood profile and motivational regulations can predict PA choices, and controlled forms of motivation are associated to exercise. In addition, in study 4 it was observed that PE which is poor to provide satisfaction of BPN exposed students to a negative mood profile. Choices on PA related to external locus of control may worsen this condition. However, internal locus of motivation for PA seems to promote a positive psychological well-being. The present thesis emphasizes the importance to consider adolescents choices on PA, considering different motivations and the association with psychological well-being.
Abstract: Introdução: a relação positiva entre a prática de atividade física no lazer (AF) e o bem estar psicológico ainda suscitam controvérsias, principalmente em adolescentes. A adolescência é um período da vida complexo e o comportamento psicológico pode influenciar diferentes escolhas de AF. A motivação, por exemplo, parece mediar estas escolhas e comportamentos motivacionais mais autônomos estão ligados a menos sintomas depressivos e um melhor perfil de humor. Objetivo: investigar as associações entre as escolhas de AF, a motivação, os sintomas depressivos e o perfil de humor de estudantes adolescentes. Método: trata-se de um estudo descritivo transversal e de base populacional. Na amostra 1 foram investigados 662 estudantes adolescentes (µ=15±1 anos) distribuídos nos 12 distritos de Florianópolis SC. Na amostra 2 participaram 2.757 estudantes (µ=15±4 anos) de 26 diferentes escolas de 8 cidades da grande Florianópolis. Esses foram selecionados proporcionalmente. O questionário de Atividade Física Habitual, O Estágio para Mudança do Comportamento para Atividade Física, O Questionário de Regulação de Comportamento no Exercício Físico 2, O Questionário de Avaliação das Necessidades Psicológicas Básicas no Exercício, O Inventário de Depressão de Beck e A Escala de Humor de Brunel foram utilizados para coleta. Os dados foram tratados com estatística descritiva e inferencial. Estudo 1: teve como objetivo investigar a associação entre estágios de mudança do comportamento e sintomas depressivos. Resultados: a manutenção para AF está associada com a probabilidade de não apresentar sintomas depressivos (OR= 0.418; IC = 0.19-0.90; p=.026). Estar regularmente engajado na AF representa 58.2% de chance de não apresentar sintomas de depressão. Estudo 2: teve como objetivo investigar se a prevalência de depressão pode ser predita pelas escolhas de AF e regulações motivacionais. Resultados: a escolha por exercícios comparado com esportes representa 2 vezes mais chances de apresentar sintomas depressivos (OR = 1.91; IC = 1.06 3.42; p = 0.03). A Amotivação é um fator de risco e aumenta discretamente a associação entre os sintomas de depressão e a escolha de exercício. Cada ponto aumentado na escala de motivação intrínseca representa 40% de chances de não apresentar sintomas depressivos. Estudo 3: teve como objetivo investigar se as escolhas de AF podem ser preditas baseadas no perfil de humor e nas regulações motivacionais. Resultados: um perfil de humor negativo para raiva, confusão mental, depressão e tensão está associado com a probabilidade de escolher exercício. A Amotivação e a regulação externa aumentam discretamente a relação entre humor negativo e exercício. A Motivação intrínseca está associada com a escolha de esportes na AF para todas as dimensões do humor. Estudo 4: teve como objetivo verificar as relações que se estabelecem entre diferentes clusters de satisfação das necessidades psicológicas básicas (NPB) na Educação Física Escolar, regulações motivacionais e escolhas de AF na predição do perfil de humor. Resultados: Os Cluster 3 (negativo) e 2 (intermediário), comparados ao Cluster 1 (positivo), apresentam duas e três vezes mais chances de apresentar perfil de humor negativo, respectivamente. Escolher exercício aumenta a associação para o Cluster 3 (OR = 3.74; 95%IC = 2.57 5.46) e Cluster 2 (OR = 2.10; 95%IC = 1.68 2.61), p <0.001. A regulação identificada e intrínseca diminuem discretamente a associação negativa entre Clusters 2 e 3, além disso, estão associados com perfil de humor positivo. (identificada - OR = .82; 95%IC = 0.70 0.96; p = .014 / intrínseca - OR = .85; 95%IC = 0.74 0.97; p = 0.016). Conclusões: No estudo 1 pode-se observar um efeito protetor para a depressão quando os adolescentes estão engajados regularmente na AF, entretanto, para o estudo 2, identifica-se que a escolha do exercício, considerando seu lócus extrínseco, representa risco para a depressão. No estudo 3 conclui-se que o perfil de humor e as regulações motivacionais podem predizer as escolhas de AF; neste caso, formas controladas de motivação estão associadas com exercício. Além disso, verifica-se no estudo 4 que a Educação Física que é pobre em satisfazer as NPB expõe estudantes à depreciação do humor. As escolhas na AF quando relacionadas com lócus extrínsecos de motivação podem agravar essa condição. Por outro lado, lócus internos de motivação para a AF parecem promover bem estar psicológico. Este trabalho enfatiza a importância de considerar as escolhas dos adolescentes para AF, advertindo que estas estão ligadas a comportamentos motivacionais distintos e repercutem ao bem estar psicológico.
Palavras-chave: motor activity
depression
mood disorders
motivation
adolescents
atividade motora
depressão
afeto
motivação
adolescente
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::EDUCACAO FISICA
Idioma: eng
País: BR
Instituição: Universidade do Estado de Santa Catarina
Sigla da instituição: UDESC
Departamento: Ciência do Movimento Humano
Programa: Doutorado em Ciências do Movimento Humano
Citação: MATIAS, Thiago Sousa. O impacto da motivação nas associações entre escolhas na prática de atividade física, sintomas depressivos e perfil de humor de estudantes adolescentes: perspectivas da teoria da autodeterminação.. 2016. 4 f. Tese (Doutorado em Ciência do Movimento Humano) - Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.udesc.br/handle/handle/648
Data de defesa: 11-Mar-2016
Aparece nas coleções:Doutorado em Ciências do Movimento Humano

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
THIAGO MATIAS.pdf118,04 kBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.