Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://tede.udesc.br/handle/handle/519
Tipo do documento: Tese
Título: Plantas medicinais: conhecimento e uso nos espaços rurais do Planalto Sul Catarinense
Título(s) alternativo(s): Medicinal plants: knowledge and use in rural areas of Planalto Sul Catarinense
Autor: Fernandes, Patricia 
Primeiro orientador: Boff, Pedro
Resumo: Estudos etnobotânicos para o resgate do saber popular sobre o uso das plantas medicinais têm sido realizados intensamente em diferentes regiões brasileiras. O conhecimento e o estudo dos usos terapêuticos dos vegetais podem contribuir com a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (PNPMF). Esta política propõe resgatar o conhecimento popular de espécies medicinais e inserir a agricultura familiar brasileira nas cadeias produtivas de fitoterápicos. O presente trabalho teve por objetivos sistematizar o conhecimento popular sobre plantas medicinais utilizadas por agricultores familiares no Planalto Sul Catarinense; caracterizar sua ocorrência; e verificar práticas fitoterápicas nas unidades básicas de saúde (UBS) da região. O levantamento de dados foi realizado de novembro de 2011 a dezembro de 2013. O estudo consistiu de entrevistas semi-estruturadas, inquirindo os informantes sobre as plantas medicinais, seus diversos fins e formas de uso. Foram entrevistadas pessoas reconhecidas em seus municípios como referência em termos de cultivo, conservação e conhecimento de plantas medicinais. Os entrevistados foram identificados com apoio da extensão rural pública e das secretarias municipais de agricultura e da saúde. Plantas indicadas como medicinais foram fotografadas e, quando possível, foram amostradas, herborizadas e depositadas no Laboratório de Homeopatia e Saúde Vegetal da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) Estação Experimental de Lages. A identificação taxonômica foi realizada através de comparação com exemplares da flora nativa regional, pertencentes aos herbários da Universidade do Estado de Santa Catarina e da Epagri, consulta a especialistas e bibliografia específica. Para analisar a implementação da PNPMF no Planalto Sul Catarinense foram entrevistados profissionais do serviço público de saúde da região. Foram visitadas 43 familias sendo entrevistadas agricultores (as), com idade entre 38 e 92 anos. Não foram identificadas diferenças significativas de informação sobre plantas medicinais entre homens e mulheres. Houve prevalência de citação entre entrevistados com idade acima de 80 anos. Os entrevistados relataram um total de 149 plantas medicinais conhecidas ou utilizadas. As espécimes de plantas citadas se distribuem em 60 famílias, 13 gêneros e 136 espécies botânicas. Três principais ambientes de coleta foram identificados e classificados em quintal, campo e fragmento florestal. Identificaram-se quatro categorias de conhecimento entre os agricultores com base nas formas de uso das plantas medicinais: benzedores, terapeutas populares, reestruturadores do conhecimento e herdeiros culturais. As indicações terapêuticas das plantas medicinais relatadas concentraram-se, principalmente, em doenças de caráter digestivo. A espécie com maior frequência de citação foi o cambará (Gochnatia polymorpha) (20), comumente denominado como cambará. Esta espécie revelou-se como uso medicinal expectorante e madeireiro. O uso madeireiro do cambará parece ter maior relevância para os agricultores e também contribui para a conservação da espécie. Foram entrevistados sete profissionais do serviço público de saúde. A prática fitoterápica em UBS foi confirmada em quatro municípios: Capão Alto, Rio Rufino, Urupema e Urubici. Em conjunto, as quatro UBS manipulam 54 espécies de plantas medicinais na forma de xaropes, pomadas, tinturas e in natura. Nas UBS, a seleção de plantas medicinais e as recomendações de uso seguiam orientações que combinavam conhecimentos técnicos e populares. Os resultados obtidos através do estudo revelaram a existência de conhecimento popular sobre plantas medicinais entre agricultores familiares do Planalto Sul Catarinense. Tal informação poderá servir de base para novos estudos etnobotânicos e etnofarmacológicos. O estudo também contribuiu no entendimento sobre a inserção da fitoterapia das unidades básicas de saúde da região estudada, revelando gargalos, impasses e resultados
Abstract: Ethnobotanical studies to recognise the popular knowledge about the use of medicinal plants have been intensively carried out in different regions. Studies of the therapeutic uses of plants can contribute to the National Policy on Medicinal Plants and phytoterapy (PNPMF).This policy proposes to empower the traditional knowledge of medicinal species and consider the Brazilian family agriculture in the production chains of medicial plant. This study aimed to systematize traditional knowledge about medicinal plants used by farmers in the Planalto Sul Catarinense; characterize its occurrence; and verify practices make at the basic health help in the municipalities (UBS). Data collection was conducted from November 2011 to December 2013. The study consisted of semi-structured interviews, asking about medicinal plants, their purposes and preparation ways. Famely farms were visited and intervies were make about cultivation, conservation and knowledge of medicinal plants. Respondents were identified with the support of public extension and municipal departments of agriculture and health. Indicated as medicinal plants were photographed and samples were collected, which were herborized and deposited at the Laboratory of Homeopathy and Plant Health of Agricultural Research and Rural Extension Agency of Santa Catarina State (Epagri) - Experimental Station of Lages. The taxonomic identification was carried out by comparison with examples of regional native flora, belonging to the herbarium of the University of the State of Santa Catarina and Epagri. Expert consultation and specific bibliography were also consulted. To analyze the implementation of PNPMF in Planalto Sul Catarinense professionals were interviewed at the public health service. We interviewed 43 farmers, aged between 38 and 90 years. Significant differences of information on medicinal plants among men and women have been identified. The prevalence of service among respondents aged over 80 years. Respondents reported a total of 149 known medicinal plants either used as selfconumption or selled to local market. The specimens of cited plants are distributed in 60 families, 13 genera and 136 botanical species. Three main environments were identified and classified as yard, field and forest fragment. We identified four categories of knowledge among farmers on the basis of forms of use of medicinal plants: healers, therapists popular, restructurers of knowledge, cultural heirs. The therapeutic indications of the reported herbal focused primarily on digestive desorders. The species most frequently quote was Gochnatia polymorpha (n=20), commonly known as cambará . This species has proved to be expectorant and timber medicinal use. The use of timber cambará seems to be more relevant to farmers and also contributes to the conservation of the species. The medicinal practice at UBS was confirmed in four municipalities: Capão Alto, Rio Rufino, Urupema and Urubici. The four UBS handle together 54 medicinal plants in the form of syrups, ointments and tinctures in nature. The selection of medicinal plants and the use of recommendations at UBS followed guidelines that combined expertise and traditional knowledge. The study revealed the existence of traditional knowledge about medicinal plants among farmers in the Southern Plateau of Santa Catarina State. Such information can be the basis for new ethnobotanic and ethnopharmacological studies. The study also contributed to understanding and facilitate the inclusion of herbal medicine practices at public health units.It also revels bottlenecks, deadlocks and what could come out
Palavras-chave: fitoterapia
agricultura familiar
etnobotânica
políticas públicas
phytotherapy
family farming
ethnobotany
public policy
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::AGRONOMIA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade do Estado de Santa Catarina
Sigla da instituição: UDESC
Departamento: Produção Vegetal
Programa: Doutorado em Produção Vegetal
Citação: FERNANDES, Patricia. Medicinal plants: knowledge and use in rural areas of Planalto Sul Catarinense. 2014. 160 f. Tese (Doutorado em Produção Vegetal) - Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, 2014.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.udesc.br/handle/handle/519
Data de defesa: 31-Out-2014
Aparece nas coleções:Doutorado em Produção Vegetal

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
PGPV14DA010.pdf1,22 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.