Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://tede.udesc.br/handle/handle/232
Tipo do documento: Dissertação
Título: Padrões biomecânicos nas estratégias funcionais de sujeitos com síndrome da dor patelofemoral
Título(s) alternativo(s): Biomechanical patterns in functional strategies of subjects with patellofemoral pain syndrome
Autor: Piazza, Lisiane 
Primeiro orientador: Santos, Gilmar Moraes
Resumo: Este estudo teve como objetivo compreender os padrões biomecânicos adotados por sujeitos com e sem SDPF na realização de cinco atividades funcionais (marcha em superfície plana, subir e descer escadas e rampa). Participaram 65 indivíduos do gênero feminino, dos quais foram selecionados 57: 26 com SDPF (GSDPF) e 31 clinicamente saudáveis (GC), pareados em idade, estatura e massa corporal. Os dados foram coletados no Laboratório de Biomecânica da Universidade de Passo Fundo-RS. Inicialmente foi aplicada uma ficha de avaliação para caracterização dos sujeitos e o Questionário de Kujala para avaliação dos sintomas e limitações funcionais relativos à articulação patelofemoral. Foi avaliada a distribuição da pressão plantar (pico de pressão, área de contato e tempo de contato) em seis regiões plantares (antepé medial, antepé lateral, médio pé, retropé medial, retropé central e retropé lateral) por meio do Pedar-X durante a realização das cinco atividades funcionais. Foram realizadas também a análise cinemática (ângulo máximo de eversão do retropé e % da fase de apoio em que este ângulo foi atingido) através do APAS (Ariel Performance Analysis System) e avaliação isocinética (pico de torque e trabalho concêntrico/concêntrico) dos flexores e extensores do joelho nas velocidades de 180°/s e 60°/s através do dinamômetro isocinético Biodex Multi Joint System 3. A ordem de realização das avaliações foi randomizada. A intensidade da dor dos sujeitos antes e após as atividades foi avaliada pela Escala Visual Numérica (EVN). Os dados foram analisados por meio da estatística descritiva e inferencial (Testes U de Mann Whitney, T-independente, Wilcoxon e Anova 2x6), com nível de significância de p≤0,05. O GSDPF apresentou menor pontuação no Questionário de Kujala em relação ao GC (p=0,01). Não foram observadas diferenças entre os grupos no pico de pressão, área de contato e tempo de contato nas seis regiões plantares analisadas durante as cinco atividades funcionais. Adicionalmente, não foram constatadas diferenças entre os grupos em relação à magnitude do ângulo máximo de eversão do retropé. No entanto, o GSDPF atingiu este ângulo mais cedo na fase de apoio da marcha que o GC (p=0,01). A avaliação isocinética evidenciou menor pico de torque dos flexores (p=0,005 e p=0,03) e extensores (p=0,006 e p=0,004) do joelho nas velocidades de 180°/s e 60°/s e menor trabalho da musculatura extensora do joelho (p=0,05 e p=0,01) em ambas velocidades do teste isocinético no GSDPF. Houve também exacerbação da dor dos sujeitos após a realização das cinco atividades funcionais (p=0,01) e avaliação isocinética a 180°/s (p=0,007) e 60°/s (p=0,01). Sendo assim, os resultados do presente estudo, nas condições experimentais utilizadas, sugerem que não existe um padrão de comportamento da distribuição da pressão plantar que diferencie sujeitos com e sem SDPF durante a realização das cinco atividades funcionais propostas no estudo. No entanto, sujeitos com SDPF alcançam a eversão máxima do retropé mais cedo na fase de apoio da marcha em superfície plana, sugerindo uma estratégia para evitar um possível surgimento ou agravo dos seus sintomas, além de apresentar menor torque dos flexores e extensores do joelho e trabalho dos extensores do joelho em relação a sujeitos assintomáticos.
Abstract: The purpose of this study was to understand the biomechanical patterns adopted by subjects with and without PFPS during perform five daily living activities (walking on a flat surface, up and down stairs and ramp). Participated of this study 65 individuals, females, of which 57 were selected: 26 with PFPS (PFPSG) and 31 clinically healthy (CG), matched by age, height and body mass. The data were collected in the Biomechanics Lab at the University of Passo Fundo RS. Initially, was applied an evaluation form to characterize the subjects and the Kujala Questionnaire to assess the symptoms and functional limitations related to the patellofemoral joint. Was evaluated plantar pressure distribution (peak pressure, contact area and contact time) in six regions (medial forefoot, lateral forefoot, midfoot, medial rearfoot, central rearfoot and lateral rearfoot) through the Pedar-X during perform five daily living activities. Kinematic analysis was also carried out (maximum angle of rearfoot eversion and % of support phase in which this angle has been reached) using the APAS (Ariel Performance Analysis System) as well as isokinetic evaluation (peak torque and work concentric/concentric) of the knee flexors and extensors in two speeds (180°/s and 60°/s) using the Biodex Multi Joint System 3. The order of the assessments was randomized. Pain intensity before and after perform the activities was assessed by Visual Numeric Scale (VNS). Data were analyzed using descriptive and inferential statistics (U- Mann Whitney test, independent T-test, Wilcoxon and ANOVA 2x6), with a significance level of p ≤ 0.05.The PFPSG had a lower score on the Kujala Questionnaire in relation to CG (p=0,01). There were no differences between groups in peak pressures, contact area and contact time in six plantar regions analyzed during the five daily living activities. Additionally, there were no differences between groups regarding the magnitude of the maximum angle of rearfoot eversion. There was also increased pain after perform the five daily living activities (p = 0.01) and isokinetic evaluation at 180 ° / s (p = 0.007) and 60 ° / s (p = 0.01). The results of this study, in the experimental conditions used, suggested that there isn t a behavior pattern in the plantar pressure distribution that differentiate subjects with and without PFPS during perform five daily living activities proposed in this study. However, subjects with PFPS reach maximum rearfoot eversion in early stance phase of walking on a flat surface, suggesting a strategy to avoid a possible appearance or worsening of their symptoms and have low knee flexors and extensors peak torque and knee extensors work compared to asymptomatic subjects.
Palavras-chave: síndrome da dor patelofemoral
biomecânica
marcha
joelho
patellofemoral pain syndrome
biomechanics
gait
knee
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::EDUCACAO FISICA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade do Estado de Santa Catarina
Sigla da instituição: UDESC
Departamento: Ciência do Movimento Humano
Programa: Mestrado em Ciências do Movimento Humano
Citação: PIAZZA, Lisiane. Biomechanical patterns in functional strategies of subjects with patellofemoral pain syndrome. 2012. 131 f. Dissertação (Mestrado em Ciência do Movimento Humano) - Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.udesc.br/handle/handle/232
Data de defesa: 16-Fev-2012
Aparece nas coleções:Mestrado em Ciências do Movimento Humano

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
Lisiane Piazza.pdf1,37 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.