Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://tede.udesc.br/handle/handle/2189
Tipo do documento: Dissertação
Título: Língua inglesa e a dificuldade de aprendizagem da pessoa adulta
Autor: Pallu, Patricia Helena Rubens 
Primeiro orientador: Carreira, André Luiz Antunes Netto
Resumo: Esta dissertação é uma reflexão sobre a dificuldade da pessoa adulta no processo de aquisição da língua inglesa, e tem a finalidade de encontrar algumas respostas sobre as causas dessa dificuldade. Os exemplos apresentados indicaram que a dificuldade da pessoa adulta na aquisição da língua inglesa existe corroborando nossa hipótese. Nossas reflexões sobre as abordagens teóricas na aquisição da fala na língua materna objetivando a transposição das teorias para a aquisição da língua inglesa no adulto, o interacionismo de Vigotski (1896-1934), aponta que a linguagem é construída pela internalização da ação e do diálogo no processo de desenvolvimento histórico-social; os postulados psicanalíticos de Freud (1856-1939), enfatizam que o aparelho de linguagem se constrói a partir da relação da criança com outros aparelhos de linguagem (semelhantes), que formam as representações psíquicas advindas da combinação de elementos auditivos, visuais e cinestésicos; a lingüística de Saussure (1857-1913), enfatiza que o exercício da linguagem está ancorado na faculdade que nos é dada pela natureza e a língua constitui algo adquirido e convencional; os inatistas, segundo Pinker (1954, -) e Chomsky (1928, -) têm a hipótese de que a linguagem é uma peça da constituição biológica do cérebro dos humanos e não é necessário ensinar a criança a falar; a sociolingüística de Calvet (1942, -), aponta que os fatores que originam a aquisição da fala são da ordem do fato social, inerentemente humano. Esse percurso de abordagens teóricas indicou que a criança e o adolescente podem adquirir a língua inglesa da mesma maneira que a língua materna porque ainda estão em pleno desenvolvimento de sua estrutura lingüística. Com relação à pessoa adulta nossos estudos indicaram que o processo de aquisição da língua inglesa pode seguir caminhos diferentes porque na idade adulta a estrutura lingüística do indivíduo já está construída. A supor que muitas das representações simbólicas do indivíduo internalizadas em sua vida pregressa não sejam úteis para a aquisição da língua inglesa, o adulto pode ter que construir uma segunda identidade lingüística, num processo paralelo. As principais dificuldades na aquisição da língua inglesa indicaram estar relacionadas com três vertentes: a idade do aprendiz; com seus reflexos eminentemente subjetivos; a inserção cultural onde se constrói a estrutura lingüística do aprendiz; e a metodologia de ensino com sua dicotomia de concentração de forças opostas entre a language learning e a language acquisition. Obtivemos indicações que a aquisição da língua inglesa na pessoa adulta é mais lenta que a da criança e do adolescente e cada adulto tem um limiar a ser alcançado, no domínio de uma segunda língua. As medidas de minimização dessa problemática podem ser: a reavaliação curricular dos cursos de Letras nas universidades, privilegiando nos currículos de LE pressupostos teóricos da abordagem comunicativa; fundamentos da lingüística aplicada, condução de pesquisas; pressupostos do ensino e da aprendizagem dos adultos e fundamentos teóricos psicológicos, psicanalíticos, sociolingüísticos e biológicos sobre a formação da estrutura lingüística do indivíduo, para promover as mudanças a partir da formação do professor de LE.
Abstract: This dissertation is a reflection on the difficulty of the adult person in the process of acquiring the English language, and aims at finding some answers to the causes of this difficulty. The presented examples have indicated that the difficulty of an adult when acquiring English does exist corroborating our hypothesis. Reflections on first language acquisition theories helped reach some conclusions in adult second language acquisition. The Vygotskian Interactionism Theory (1896-1934) points out that language is built by the internalisation of actions and dialogues in the socialhistorical development process; the Freudian psychoanalytic postulates (1856-1939), emphasise that the language device builds itself from the relationship of the child with other (similar) language devices, which form psychic representations with the combination of auditory, visual and kinaesthetic elements; the Saussurean linguistics (1857-1913) emphasises that the ability to use language is anchored in a faculty that is given us by nature and that the language constitutes something acquired and conventional; the innatists, according to Pinker (1954) and Chomsky (1928) hypothesize that language is a part of the biological constitution of the human brain and it is not necessary to teach a child to speak; Calvet s (1942) sociolinguistics points out that the factors that originate the acquisition of speech are related to social events, inherently human. These theories have indicated that the child and the adolescent can acquire English as a second or foreign language in the same way they do with their mother tongue, because they are still in full development of their linguistic structure. With regard to the adult person this study has indicated that the process of acquiring English can follow different ways because in the adulthood the person s linguistic structure is already constructed. Assuming that a great deal of internalised symbolic representations of the individual in their former life is not useful for the acquisition of English, the adult may have to create a second linguistic identity in a parallel process. The main difficulties in the acquisition of English as a second or foreign language have proved to be related to three sources: the age of the learner with its eminently subjective consequences; the cultural insertion where the linguistic structure of the learner is formed; and the teaching methodology with its dichotomy concentrating opposing forces between language learning and language acquisition. We have indicators that the acquisition of English by adults is slower than by children and adolescents, and each adult has their level to be reached in the second language. To minimise these problems there should be: a curriculum re-evaluation of English Degree courses in Brazilian universities, giving special emphasis to the Communicative Approach and other modern theories too; applied linguistics and research into second language acquisition; how to teach adults analysing psychological, psychoanalytic, sociolinguistic and biological theories about the human linguistic structure aiming at forming better teachers of English in our country.
Palavras-chave: Língua inglesa
Educação de adultos
Lingüística
Linguagem
Fala
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade do Estado de Santa Catarina
Sigla da instituição: UDESC
Departamento: Educação e Cultura
Programa: Mestrado em Educação e Cultura
Citação: PALLU, Patricia Helena Rubens. Língua inglesa e a dificuldade de aprendizagem da pessoa adulta. 2004. 152 f. Dissertação (Mestrado em Educação e Cultura) - Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.udesc.br/handle/handle/2189
Data de defesa: 26-Nov-2004
Aparece nas coleções:Mestrado em Educação e Cultura

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
Patricia Helena Pallu.pdf544,55 kBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.