Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://tede.udesc.br/handle/handle/1447
Tipo do documento: Dissertação
Título: De conjuntos habitacionais a bairros : a construção e o desmonte das vilas de Itaipu (1974-2012)
Autor: Aranha, Renato Muchiuti 
Primeiro orientador: Campos, Emerson César de
Resumo: A construção de grandes obras sempre movimentaram milhares de trabalhadores para que o objetivo fosse alcançado. O objetivo desta dissertação é discutir como funcionavam as relações de sociabilidades dentro do espaço das Vilas de Itaipu, buscando perceber em dois momentos distintos a composição e a relação para com a cidade de Foz do Iguaçu, município no qual se localiza a hidrelétrica. Estes dois momentos seriam primeiramente o processo de formação destes conjuntos habitacionais durante a década de 1970 e 1980 e o segundo momento é o processo de desmonte dessa estrutura, principalmente nas décadas de 1990 e 2000. Para tal a dissertação é fundamentada nos relatos orais de residentes dos três conjuntos habitacionais que viveram ao menos parcialmente os dois momentos. No caso especifico de usinas hidrelétricas surgiu uma categoria especializada na construção de barragens e na montagem do equipamento, chamados de barrageiros. Esse grupo é necessariamente itinerante já que o trabalho depende da duração das obras da usina, que não era superior a 10 anos na grande maioria dos casos. Assim sendo existia uma migração constante em busca de novos locais de trabalho.Dentre estes barrageiros, existiam os solteiros e os que possuíam família. Os que eram solteiros acabavam encontrando uma relação estável entre os moradores nativos das cidades das obras ou então entre os familiares de outros barrageiros. Essa população de trabalhadores era quase que majoritariamente masculina, com os serviços que envolviam a presença física no canteiro de obras exclusivamente reservado para homens. Essa divisão entre solteiros e casados tinha o propósito de definir o modelo de habitação dos trabalhadores: solteiros iriam residir nos alojamentos enquanto as mulheres e os casados residiriam nas casas de conjuntos habitacionais. Estes conjuntos residenciais eram baseados em vilas operárias, carregando um sentido de dominação das suas forças produtivas e era um atrativo e uma alternativa para a alocação dos trabalhadores.As pessoas nestas vilas eram divididas de acordo com seu nível empregatício, seja nos diversos modelos de casas presentes em um conjunto habitacional ou então em conjuntos diferentes. No caso específico de Itaipu Binacional foram construídas 3 vilas residenciais: uma temporária voltada para os trabalhadores casados com nível mais baixo, contratados pelas empreiteiras e duas vilas permanentes, que seriam utilizadas para operação da hidrelétrica e serviram para abrigar os funcionários contratados pela binacional e os cargos mais altos das empreiteiras. É sobre essas vilas e, principalmente, de seus moradores que a presente dissertação se debruça, pensando como eram as mesmas no momento de sua criação e no que se transformaram, trabalhando a percepção das pessoas sobre estes diferentes períodos e temas.
Palavras-chave: Cidades e vilas
Usinas hidrelétricas - Brasil
Memória
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::HISTORIA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade do Estado de Santa Catarina
Sigla da instituição: UDESC
Departamento: História
Programa: Mestrado em História
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.udesc.br/handle/handle/1447
Data de defesa: 15-Mar-2013
Aparece nas coleções:Mestrado em História

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
112864.pdf1,13 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.