Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://tede.udesc.br/handle/handle/1162
Tipo do documento: Dissertação
Título: Micropropagação e aclimatização de Physalis peruviana e Physalis alkekengi
Título(s) alternativo(s): Micropropagation and aclimatization of Physalis peruviana and Physalis alkekengi
Autor: Muniz, Jaqueline Nogueira 
Primeiro orientador: Rufato, Leo
Resumo: O presente trabalho teve por objetivo estabelecer o desenvolvimento de um protocolo de propagação in vitro para as espécies Physalis peruviana e Physalis alkekengi. Os experimentos foram conduzidos no laboratório de Micropropagação, casa de vegetação e fitotron da Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Ciências Agroveterinárias, Lages-SC. O estabelecimento das plantas foi em meio MS com diferentes tempos de exposição dos explantes, segmentos nodais, ao álcool 70% (0 e 1 minuto) e hipoclorito de sódio 2,5% (10 e 15 minutos). Na fase de multiplicação foram realizados dois diferentes experimentos onde o primeiro consistia em adicionar ao meio MS concentrações diferentes de BAP (0,3; 0,6; 0,9; 1,2; 1,5 e 1,8 mgL-1) e dois tipos de vedação dos frascos (tampa plástica e alumínio). No segundo experimento testou-se o meio MS adicionado de 0,3 mg.L-1 de 2ip e dois tipos de posição do explante segmento nodal no meio de cultura (vertical e horizontal). A aclimatização de plântulas foi realizada testando diferentes substratos; substrato comercial Tecnomax® (S), Tecnomax®+vermiculita (S+V), Tecnomax®+vermiculita+húmus (S+V+H), dois ambientes (fitotron e casa de vegetação) e o uso de cobertura plástica das bandejas em Physalis alkekengi. Para desinfestação de Physalis peruviana os tratamentos com a combinação de Álcool 70% (1min) + NaClO 2,5% (10 min) e Álcool 70% (1min) + NaClO 2,5% (15 min) foram os que possibilitaram a obtenção de uma maior quantidade de explantes livres de contaminação aliados a uma alta taxa de sobrevivência. Para a desinfestação de Physalis alkekengi o tratamento com NaClO 2,5% (15 min) foi eficiente para descontaminação dos explantes e sobrevivência dos mesmos após 28 dias de cultivo in vitro. Na multiplicação de P. alkekengi não houve diferença para os tratamentos testados em ambos os experimentos de multiplicação. Para Physalis peruviana o tipo de vedação não influenciou na multiplicação dos explantes. O maior número de folhas por explante foi obtido em meio MS com 1,2 mg.L-1 de BAP e o maior comprimento de explantes foi obtido em meio MS acrescido de 0,3 mgL-1 de BAP. O tratamento com 2ip não foi eficiente na multiplicação de P. peruviana. Para Physalis peruviana o uso de substrato Tecnomax® foi suficiente para obter bons resultados em todas as variáveis analisadas. O melhor substrato para aclimatização de Physalis alkekengi sem a cobertura das bandejas é o substrato comercial (Tecnomax®) e substrato comercial+vermiculita. As diferentes condições de cultivo não tiveram influência significativa ao nível de 5% de probabilidade de erro no desenvolvimento das mudas de Physalis peruviana e Physalis alkekengi
Abstract: The objective of this study was to development of a protocol for in vitro propagation of the species Physalis peruviana and Physalis alkekengi. The experiments were conducted in Micropropagation laboratory, greenhouse and phytotron at the University of the State of Santa Catarina, Lages-SC. Plant establishment was on MS medium with different exposure times of explants, nodal segments, in alcohol 70% (0 and 1 minute) and sodium hypochlorite 2.5% (10 and 15 minutes). In the multiplication phase two different experiments where done, the first was to add to the MS different concentrations of BAP (0.3, 0.6, 0.9, 1.2, 1.5 and 1.8 mgL-1) and two types of sealing bottles (plastic lid and aluminum). In the second experiment we tested the MS medium supplemented with 0.3 mg.L-1 2ip and two types of position of the nodal segment explant in culture medium (vertical and horizontal). The acclimatization of plantlets was performed testing different substrates; Tecnomax® commercial substrate (S), Tecnomax® + vermiculite (S + V), Tecnomax® vermiculite and humus (S + V + H), two environments (phytotron and greenhouse) and the plastic covering the trays in Physalis alkekengi. To Physalis peruviana disinfestation treatments with the combination of Alcohol 70% (1min) + NaClO 2.5% (10 min) and Alcohol 70% (1min) + NaClO 2.5% (15 min) were the best combination to obtain a greater amount of explants free from contamination combined with a high survival rate. For disinfestation of Physalis alkekengi treatment with NaClO 2.5% (15 min) was effective for decontamination of explants and the same survival after 28 days of in vitro culture. In the multiplication of P. alkekengi no difference for the treatments tested in both multiplication experiments. To Physalis peruviana type of seal did not influence the proliferation of explants. The highest number of leaves per explant was obtained on MS medium with 1.2 mg.L-1 BAP and longest explant was obtained on MS medium supplemented with 0.3 mg.L-1 BAP. 2ip treatment was not effective in the multiplication of P. peruviana. To Physalis peruviana the use of Tecnomax ® substrate was sufficient to obtain good results in all variables evaluated. The best substrate for acclimatization of Physalis alkekengi coverage without the trays is the commercial substrate (Tecnomax ®) and commercial substrate + vermiculite. The different culture conditions had no significant influence at 5% probability of error in seedling development of Physalis peruviana and Physalis alkekengi
Palavras-chave: micropropagação
Physalis peruviana
Physalis alkekengi
micropropagation
Physalis peruviana
Physalis alkekengi
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::AGRONOMIA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade do Estado de Santa Catarina
Sigla da instituição: UDESC
Departamento: Produção Vegetal
Programa: Mestrado em Produção Vegetal
Citação: MUNIZ, Jaqueline Nogueira. Micropropagation and aclimatization of Physalis peruviana and Physalis alkekengi. 2013. 70 f. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal) - Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, 2013.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.udesc.br/handle/handle/1162
Data de defesa: 15-Fev-2013
Aparece nas coleções:Mestrado em Produção Vegetal

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
PGPV13MA108 .pdf1,16 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.